Outubro Rosa 2016

#EuVoudeRosa no Mês de Combate ao Câncer de Mama

Promoção para o Outubro Rosa 2016

Uma parceria do Grupo Erviegas e a Biocare Medical para o Mês de Combate ao Câncer de Mama

Compre 3 Anticorpos para Detecção de Câncer de Mama ou Ovário

Leve 1 anticorpo de graça!

Aproveite a promoção do Outubro Rosa 2016 – Mês de Combate ao Câncer de Mama e compre 3 anticorpos para detecção de Câncer de Mama da lista ao leve 1 anticorpo de graça*.

Preencha o formulário de solicitação

Seu nome completo (obrigatório)

Baixe o Catálogo da Biocare

Gostaria de mais informações acerca dos anticorpos listados ao lado? Faça o download do catálogo da Biocare Medical. Clique no botão Baixar Catálogo

Anticorpos Biocare para Câncer de Mama

p53

 IVD  Coloração p53 em Câncer de Cólon

p53 has been observed to act as both as a tumor-suppressor and transcription factor. p53 activation by DNA damage or other stress signals is reported to trigger DNA repair, cell-cycle arrest or apoptosis. The nuclear p53 gene is located on chromosome 17p, a frequent site of allele loss in many tumors (60%) including breast, colon and lung. Studies have shown this high affi nity p53 rabbit monoclonal is very specifi c and is superior to other p53 mouse monoclonal antibodies. This antibody recognizes both wild-type and mutant p53.

Ki-67

 IVD 
Coloração Ki-67 em Câncer de Mama

Ki-67 is a non-histone protein expressed in the nucleus during thewhole cell cycle, except in the G0 and G1 early phases. Therefore, Ki-67 constitutes an effi cient marker of proliferating cells. Due to its role in the cell cycle, the fraction of Ki-67 positive cells in a given tissue sample has often been cited as a useful index for grading the proliferation rates of tumors; including lesions of the breast, brain, cervix and prostate. In pre-cancerous lesions, the Ki-67 labeling index has been associated with an increasing degree of cervical dysplasia. Ki-67 has also been reported as a useful prognostic marker for breast cancer.

Coloração Ki-67 em Câncer de Mama.

Estrogen Receptor (ER) [1D5]

 Pesquisa 
Coloração Estrogen Receptor (ER) [1D5] em Câncer de Mama

The estrogen receptor (ER) is a 66 kDa protein that acts as an estrogen-dependent, nuclear hormone receptor. Studies have shown ER is present in the nuclei of epithelial cells in normal breast and endometrial tissues, as well as a subset of breast carcinomas. The ER protein has six functionally discrete domains; labeled A through F. ER [1D5] reacts with the amino-terminal domain in the A/B region of ER-alpha. This clone has been established to work in formalin-fi xed, paraffi n-embedded tissues and has been published in numerous breast cancer research studies.

Coloração Estrogen Receptor (ER) [1D5] em Câncer de Mama.



Estrogen Receptor (ER) [6F11]

 Pesquisa 
Coloração Estrogen Receptor (ER) [6F11] em Câncer de Mama

Human estrogen receptor (ER) is a 66 KDa protein that acts as an estrogen-dependent, nuclear hormone receptor. Studies have shown ER is present in the nuclei of epithelial cells in normal breast and endometrial tissues, as well as a subset of breast carcinomas. The ER gene consists of more than 140 kb of genomic DNA divided into 8 exons. These translate into a protein with six functionally discrete domains, labeled A through F. Studies have shown the 6F11 clone can be used for labeling estrogen targeted tissues such as breast and uterus and is superior to [1D5] in predicting survival.

Coloração Estrogen Receptor (ER) [6F11] em Câncer de Mama.



Estrogen Receptor (ER) [6F11 + SP1]

 Pesquisa 
Coloração Estrogen Receptor (ER) [6F11 + SP1] em Câncer de Mama

The estrogen receptor (ER) is a 66 kDa protein that acts as an estrogen-dependent, nuclear hormone receptor. Studies have shown ER is present in the nuclei of epithelial cells in normal breast and endometrial tissues, as well as a subset of breast carcinomas. Studies have shown the 6F11 clone is superior to [1D5] in predicting survival. Studies also have shown that the SP1 clone, a high affi nity rabbit monoclonal antibody, has higher sensitivity than available mouse monoclonals in breast cancer. The combination of these two clones may provide increased sensitivity compared to the individual clones.

Coloração Estrogen Receptor (ER) [6F11 + SP1] em Câncer de Mama.



Estrogen Receptor (ER) [SP1]

 Pesquisa 
Coloração Estrogen Receptor (ER) [SP1] em Câncer de Mama

Human estrogen receptor (ER) is a 66 kDa protein that acts as an estrogen-dependent, nuclear hormone receptor. Studies have shown ER is present in the nuclei of epithelial cells in normal breast and endometrial tissues, as well as a subset of breast carcinomas. The SP1 clone is a high affi nity rabbit monoclonal antibody directed against an pitope of the C-terminus of the ER protein. Studies have shown that the SP1 clone has higher sensitivity than available mouse monoclonals in breast cancer. In some instances, SP1 staining can be obtained even without antigen retrieval.

Coloração Estrogen Receptor (ER) [SP1] em Câncer de Mama.  

Progesterone Receptor (PR) [16]

 Pesquisa  Coloração Progesterone Receptor PR 16 em Câncer de Mama

Progesterone Receptor (PR) content of breast cancer tissue is an important parameter in the prediction of prognosis and response to endocrine therapy. PR [16] is directed against the human progesterone receptor molecule. A prokaryotic recombinant protein, corresponding to the N-terminal region of the A-form of human progesterone receptor, was used as the immunogen. Antibody characterization studies demonstrated that PR [16] reacts with both A- and B- forms of human progesterone receptor in Western Blotting procedures.


Coloração Progesterone Receptor PR 16 em Câncer de Mama



Progesterone Receptor (PR) [1A6]

 Pesquisa  Progesterone Receptor (PR) [1A6]

This progesterone receptor (PR) monoclonal antibody recognizes both PR-alpha and PRbeta. According to studies, progesterone receptor status of breast cancer is an important prognostic factor and predictive parameter of the response to hormone therapy. Research has shown PR to refl ect intact estrogen regulatory machinery and predicts a higher response to endocrine therapy than ER alone. A study has implicated the loss of PR expression as an independent predictor of poor prognosis and lymph node metastasis in endometrial carcinomas.


Coloração Progesterone Receptor (PR) [1A6] em Câncer de Mama.



Progesterone Receptor (PR) [PgR636]


 Pesquisa  Coloração Progesterone Receptor (PR) [PgR636] em Câncer de Mama

The progesterone receptor is a member of the steroid-receptor family. Steroid hormones bind to intracellular receptors and these receptors can bind to DNA and regulate gene expression directly. Research has shown PR to refl ect intact estrogen regulatory machinery and predicts a higher response to endocrine therapy than ER alone. A study has implicated the loss of PR expression as an independent predictor of poor prognosis and lymph node metastasis in endometrial carcinomas.

Coloração Progesterone Receptor (PR) [PgR636] em Câncer de Mama.



Progesterone Receptor (PR) [SP2]


 Pesquisa  Coloração Progesterone Receptor (PR) [SP2] em Câncer de Mama

The presence of progesterone receptor (PR) in breast tumors indicates an increased likelihood of response to anti-estrogen (tamoxifen) therapy. The SP2 clone is a high affi nity rabbit monoclonal. A study has shown that the SP2 clone had a much higher affi nity as compared to mouse monoclonals for the progesterone receptor. Studies have also shown that the SP2 clone provides supplementary evidence to ER in predicting survival in human breast cancer.

Coloração Progesterone Receptor (PR) [SP2] em Câncer de Mama.    

CK5/14 + p63 + CK7/18

 IVD  Coloração CK5/14 + p63 + CK7/18 em Câncer de Mama

IHC markers CK5, CK14, p63, CK7 and CK18 complement morphological evaluation of breast lesions due to the differential expression of the luminal (CK7/8) vs. basal and myoepithelial markers (CK5/14, p63). Usual ductal hyperplasia is associated with positive basal cells markers intermixed with positive luminal cells. Most atypical ductal hyperplasia and low grade ductal carcinoma in situ cases are basal marker negative and luminal marker positive. These antibodies, in combination with hematoxylin and eosin (H&E), have been shown to signifi cantly increase diagnostic inter-observer agreement among pathologists.

Coloração CK5/14 + p63 + CK7/18 em Câncer de Mama

CK5 + p63

 IVD  Coloração CK5 - p63 em Câncer de Mama

Cytokeratin 5 is a 58 kDa protein found in many non-keratinizing, stratifi ed squamous epithelia such as tongue mucosa, basal epithelia hair follicles and trachea, as well as basal cells in prostate and mammary glands. CK5 is also expressed in most epithelial and biphasic mesotheliomas. p63 is detected in prostatic basal cells in normal prostate; however, it is negative in malignant tumors of the prostate gland. Thus, p63 may be useful to aid in the differentiation of benign and malignant tumors of prostate gland. It has been reported that p63 may be useful as a negative marker for malignant mesotheliomas. p63 also stains basal cells in mammary glands.


Coloração CK5 - p63 em Câncer de Mama

Cytokeratin LMW (8/18)

 IVD  Coloração Cytokeratin LMW (8/18) em Câncer de Mama

Cytokeratin LMW (8/18) [5D3] recognizes Cytokeratins (CK) 8 and 18 intermediate filament proteins. In normal tissues, [5D3] recognizes all simple and glandular epithelium. In neoplastic tissues, [5D3] may prove useful to aid in the identifi cation of adenocarcinomas and some squamous cell carcinomas. It is generally negative in keratinizing squamous carcinomas. Studies suggest [5D3] can be used in conjunction with HMW CK to rule out squamous cell carcinoma. Studies have also shown CK 8/18 expression in squamous cell carcinomas of the oral cavity may indicate a decreased survival rate.


Coloração Cytokeratin LMW (8/18) em Câncer de Mama

Cytokeratin 7 (CK7)

 IVD  Coloração Cytokeratin 7 em Câncer de Mama

Cytokeratin 7 is an intermediate fi lament protein (IFP) of 54 kDa that recognizes the simple epithelium found in most glandular and transitional epithelia; but is not found in the stratifi ed squamous epithelia. This rabbit monoclonal antibody [BC1] has been shown to be highly specifi c to Cytokeratin 7 and shows no cross-reaction with other IFPs. Cytokeratin 7 is expressed in epithelial cells of ovary, lung and breast. It is often used in conjunction with Cytokeratin 20 and CDX2 to aid in distinguishing pulmonary, ovarian and breast carcinomas (CK7+) from most colon carcinomas (CK7-).


Coloração Cytokeratin 7 em Câncer de Mama Clone: BC1.



Cytokeratin 7 (CK7)

 IVD  Coloração Cytokeratin 7 (CK7) em Câncer de Mama

Cytokeratin 7 is an intermediate filament protein (IFP) of 54 kDa that recognizes the simple epithelium found in most glandular and transitional epithelia; but not in stratifi ed squamous epithelia. This monoclonal antibody [OV-TL 12/30] has been shown to be highly specifi c to Cytokeratin 7 and shows no cross-reaction with other IFPs. Cytokeratin 7 is a basic cytokeratin and is expressed in epithelial cells of ovary, lung and breast, but not of colon or gastrointestinal tract. It is often used in concert with Cytokeratin 20 and COX-2 to aid in distinguishing ovarian, pulmonary and breast carcinomas (CK7+) from colon carcinomas (CK7-).


Coloração Cytokeratin 7 (CK7) em Câncer de Mama Clone: OV-TL 12/30

Calponin

 IVD  Coloração Calponin em Câncer de Mama

Calponin a 34 kDa polypeptide, is a cytoskeleton-associated actin-binding protein that also interacts tropomyosin and calmodulin. Calponin has been found to be useful as a marker for myoepithelial and basal lamina in differentiating microinvasive from in situ ductal carcinomas of the breast. Calponin may also have applications in malignant myoepithelium and pleomorphic adenoma of salivary gland as well as a useful marker for fi ne needle aspirates of papillary breast lesions.


Coloração Calponin em glândula de Câncer de Mama

E-cadherin

 IVD  Coloração E-cadherin em Câncer de Mama

Immunohistochemical studies have shown E-cadherin to be expressed in breast ductal carcinoma with loss of expression in lobular carcinoma. As a result, mouse monoclonal anti-E-cadherin [HECD-1] has been used by pathologists to differentiate between ductal and lobular carcinomas of the breast, with currently published sensitivity and specifi city of approximately 90%. A rabbit monoclonal E-cadherin antibody may combine the best properties of both mouse monoclonal antibodies and rabbit antisera.

Coloração E-cadherin em Câncer de Mama  

p120 + E-cadherin

 IVD  Coloração p120 + E-cadherin em Câncer de Mama

Studies have shown that E-cadherin, a negative membrane marker for lobular neoplasia, is useful in the distinction of ductal neoplasia vs. lobular neoplasia; however as a negative marker for lobular carcinoma, it can be diffi cult to interpret. p120 displays membrane staining in ductal cell carcinoma and cytoplasmic staining in lobular carcinoma. Studies have shown accurate categorization of ductal vs. lobular neoplasia in the breast with p120 Catenin + E-cadherin and helped give further clarifi cation in the separation of low-grade ductal carcinoma in situ from lobular neoplasia.


Coloração p120 + E-cadherin em Câncer de Mama

GATA-3

 IVD  Coloração Gata-3 em Câncer de Mama

GATA-3 (GATA binding protein 3) is a member of the GATA family of transcription factors. GATA-3 appears to control a set of genes involved in the differentiation and proliferation of breast cancer. The expression of GATA-3 has a strong association with estrogen receptoralpha expression in breast cancer and evidence exists that GATA-3 may be used to predict response to hormonal therapy of breast cancer patients. GATA-3 has also been shown to be a novel marker for bladder cancer. In one study, GATA-3 stained 67% of 308 urothelial carcinomas but no prostate or renal carcinomas.


Coloração Gata-3 em Câncer de Mama  

GCDFP-15 + Mammaglobin

 IVD  Coloração de GCDFP-15 + Mammaglobin em Câncer de Mama

Numerous studies have shown GCDFP-15 to be a specifi c marker for breast cancer. Mammaglobin is also a specific and sensitive marker known to be overexpressed in human breast cancer. In normal breast tissue, it labels breast ductal and lobular epithelial cells. Mammaglobin is expressed in 50-60% of metastatic breast cancers while GCDFP-15 is expressed in approximately 20-25%. Mammaglobin is reported to be a more sensitive marker than GCDFP-15 for breast carcinoma; however, it lacks the specifi city of GCDFP-15. The combination of GCDFP-15 and Mammaglobin may help to establish the correct interpretation of metastatic breast carcinoma.


Coloração de GCDFP-15 + Mammaglobin em Câncer de Mama

Mammaglobin

 IVD  Coloração Mammaglobin em Câncer de Mama

Mammaglobin encodes a 10 kDa glycoprotein and is distantly related to a family of epithelial secretory proteins that includes rat estramustine-binding protein, prostatein and human Clara cell 10 kDa proteins (CC10)/uteroglobin. Mammaglobin, a mammary-specifi c member of the uteroglobin family, has been shown to be overexpressed in human breast cancer. Studies suggest that mammaglobin is a relatively mammary-specifi c and mammary-sensitive marker. Mammaglobin may be valuable in a panel with GCDFP-15 and estrogen receptor in evaluating tumors of unknown primary sites.


Coloração Mammaglobin em Câncer de Mama

c-erbB-2 [CB11]

 Pesquisa  Coloração C-ERBB-2 em Câncer de Mama

This antibody recognizes a protein of 185 kDa, identifi ed as the second member (c-erbB-2/HER-2) of the c-erbB family. This mouse monoclonal antibody is directed against the cytoplasmic domain of the human c-erbB-2 protein. The c-erbB-2 protein is closely related in structure to the epidermal growth factor receptor and is over-expressed in a variety of carcinomas, especially those of breast and ovary. Studies have shown that c-erbB-2 positive breast cancer usually correlates with negative staining for estrogen and progesterone receptors; thus a poorer predictive outcome is correlated with positive c-erbB-2 staining.

Coloração C-ERBB-2 em Câncer de Mama



c-erbB-2/HER2

 Pesquisa  Coloração C-ERBB-2-HER2 em Câncer de Mama

This rabbit monoclonal antibody recognizes a protein of 185 kDa, identifi ed as the second member (cerbB-2/HER-2) of the c-erbB family. This antibody is directed against the cytoplasmic domain of the human c-erbB-2 protein and may provide increased sensitivity compared to the mouse monoclonal. The c-erbB-2 protein is over-expressed in a variety of carcinomas, especially those of breast and ovary. Studies have shown that c-erbB-2 positive breast cancer usually correlates with negative staining for estrogen and progesterone receptors; thus a poorer predictive outcome is correlated with positive c-erbB-2 staining.

Coloração C-ERBB-2-HER2 em Câncer de Mama

   

Anticorpos Biocare para Câncer de Ovário

PAX8

 IVD 

Coloração PAX8 em adenocarcinoma de ovário

PAX8 is a member of the paired box (PAX) family of transcription factors. Studies have shown that expression of the PAX8 gene was found in 89% of analyzed kidney tumor samples. The expression of the PAX8 target genes were found in all normal renal samples. PAX8 has been shown to be expressed in three of the most common types of renal cell carcinoma including clear cell, chromophobe and papillary carcinoma but negative for urothelial carcinoma of renal pelvis. PAX8 stains nuclei exclusively and has been shown to be a superior marker compared to Renal Cell Carcinoma (RCC).

Coloração PAX8 em adenocarcinoma de ovário

WT1 (Wilms’ Tumor)

 IVD  Coloração WT1 (Wilms’ Tumor) em Câncer de Ovário

WT1 is a protein involved in the induction of Wilms’ Tumor. The WT1 gene, located on 11p13, is inactivated in 5 to 10% of sporadic Wilms’ tumors and in nearly 100% of Denys-Drash patients. In normal tissues, WT1 (mRNA) has been observed in human kidney, spleen and gonadal ridge mesoderm. The WT1 gene has also been observed in Sertoli cells of testes and in granulosa cells of the ovary. In tumors, WT1 has been demonstrated in Wilms’ tumors and in the majority or mesotheliomas. A study indicates WT1 may be a useful tool in distinguishing schwannoma from fi broblastic meningioma.

Coloração WT1 (Wilms’ Tumor) em Câncer de Ovário

CA 125

 IVD  Coloração CA-125 em Câncer de Ovário

CA 125 recognizes an epitope on a molecule called Cancer Antigen 125 (CA 125). Studies have shown that CA 125 reacts with approximately 80% of epithelial ovarian neoplasms of serous, endometrioid, clear cell and undifferentiated types. No reactivity has been shown for mucinous ovarian tumors or in germ cell or hematopoietic tumors. CA 125 reacts with both normal tissues and neoplasms of fallopian tube, endometrium, endocervix and mesothelioma. It does not react with colon cancer. Normal tissues such as breast, liver, skin, kidney and spleen are also negative.


Coloração CA-125 em Câncer de Ovário

Cytokeratin 7 (CK7)

 IVD  Coloração Cytokeratin 7 em Câncer de Mama

Cytokeratin 7 is an intermediate fi lament protein (IFP) of 54 kDa that recognizes the simple epithelium found in most glandular and transitional epithelia; but is not found in the stratifi ed squamous epithelia. This rabbit monoclonal antibody [BC1] has been shown to be highly specifi c to Cytokeratin 7 and shows no cross-reaction with other IFPs. Cytokeratin 7 is expressed in epithelial cells of ovary, lung and breast. It is often used in conjunction with Cytokeratin 20 and CDX2 to aid in distinguishing pulmonary, ovarian and breast carcinomas (CK7+) from most colon carcinomas (CK7-).

  Coloração Cytokeratin 7 em Câncer de Mama Clone: BC1.

Cytokeratin 7 (CK7)

 IVD  Coloração Cytokeratin 7 (CK7) em Câncer de Mama

Cytokeratin 7 is an intermediate filament protein (IFP) of 54 kDa that recognizes the simple epithelium found in most glandular and transitional epithelia; but not in stratifi ed squamous epithelia. This monoclonal antibody [OV-TL 12/30] has been shown to be highly specifi c to Cytokeratin 7 and shows no cross-reaction with other IFPs. Cytokeratin 7 is a basic cytokeratin and is expressed in epithelial cells of ovary, lung and breast, but not of colon or gastrointestinal tract. It is often used in concert with Cytokeratin 20 and COX-2 to aid in distinguishing ovarian, pulmonary and breast carcinomas (CK7+) from colon carcinomas (CK7-).

  Coloração Cytokeratin 7 (CK7) em Câncer de Mama Clone: OV-TL 12/30

CDX2

 IVD  Coloração CDX2 em Câncer de Colon

CDX2 is a homeobox gene that encodes an intestine-specifi c transcription factor. It is expressed in the nuclei of epithelial cells of the intestine, from duodenum to rectum. Studies have shown that CDX2 is a sensitive marker for colonic carcinoma metastatic to the ovary and is more specifi c than CK20 as it is not expressed by serous and endometrioid carcinomas. CDX2 is also expressed in mucinous ovarian carcinomas but not expressed in normal gastric mucosa. CDX2 was reported to be advantageous over CK20 for distinguishing primary ovarian tumors from metastases of upper gastrointestinal tract origin.

Coloração CDX2 em Câncer de Colon

CD117/c-kit

 IVD  Coloração CD117/c-Kit em GIST

CD117/c-kit is a member of Tyrosine Kinase kDa (-3) Receptor (TKR) family and is highly homologous to receptor PDGF and CSF-1. This antibody recognizes the extracellular domain and is expressed by a variety of normal and abnormal cell types. In abnormal cells, CD117 has been shown to label testicular germ cells, endometrial carcinomas, papillary and follicular thyroid carcinomas, small cell carcinomas, melanomas and ovarian epithelial carcinomas. It has also been shown to be an effective marker for mast cell disorders, gastrointestinal stromal tumors and immunotyping of blasts in human bone marrow.

Coloração CD117/c-Kit em GIST

CDH17

 IVD  Coloração CDH17 (M) em adenocarcinoma de cólon (Esquerda) e Adenocarcinoma do estômago (Direita)

CDH17 antibody (Cadherin 17 or LI-cadherin) is a novel oncogene which is involved in tumor invasion and metastasis and is expressed in intestinal epithelium. CDH17 is a highly specifi c marker in colon cancer (99/99, 100%) and is a more sensitive marker than CDX2 (93/99, 94%) and CK20 (91/99, 92%). Overexpression of CDH17 (and conversely, underexpression of CDX2) correlates to poor prognosis in patients with epithelial ovarian cancer. CDH17 may be helpful for early diagnosis of Barrett’s esophagus. CDH17 has been shown to be a useful marker for distinguishing between primary urinary bladder adenocarcinoma and urothelial carcinoma with glandular differentiation.

Coloração CDH17 (M) em adenocarcinoma de cólon (Esquerda) e Adenocarcinoma do estômago (Direita)

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO #EUVOUDEROSA MÊS DO COMBATE AO CÂNCER DE MAMA

1.INFORMAÇÕES GERAIS
1.1. A Promoção Mês do Combate ao Câncer de Mama é promovida pela Erviegas I.C LTDA, com sede na Rua Lacedemônia, 268 – Vila Alexandria, São Paulo/SP, inscrita no CNPJ sob o nº 46.271.011.0001/07, e será realizada das 09h00 do dia 01 de Outubro de 2016 às 23:59 até o dia 08 de Novembro de 2016 ou enquanto durar o estoque dos produtos disponíveis em nosso estoque, sendo aberta à participação de todas as pessoas físicas e jurídicas em território nacional. Na compra de 3 anticorpos para detecção de câncer de mama ou ovário
2. PARTICIPAÇÃO
2.1. Para participar da Promoção, é necessário preencher o formulário ao lado e clicar no botão solicitar ou enviar um e-mail para diagnosticos@grupoerviegas.com.br solicitando alguns dos anticorpos listados no painel de anticorpos da Biocare Medical de Mama ou de Ovário.
3. DISPONIBILIDADE DO PRODUTO
3.1. O anticorpo gratuito disponibilizado na compra de 3 marcadores será o de menor valor.
3.2. O prazo de entrega é até 60 dias após a confirmação do pedido.
3.3. A promoção é válida somente para pagamento 14 dias direto, para parcelamento não aplica-se essa promoção e condições.
4. CONSIDERAÇÕES GERAIS
4.1. A simples participação nesta Promoção implica total conhecimento e aceitação deste Regulamento, bem como de seus termos e condições, pelos participantes ou seus responsáveis.
4.2. O presente Regulamento poderá ser alterado e/ou a Promoção suspensa e/ou cancelada, sem aviso prévio, por motivo de força maior ou qualquer outro fator ou motivo imprevisto, que esteja fora do controle do Grupo Erviegas e que comprometa a Promoção.

Caso haja dúvida entre em contato conosco através dos nossos canais de atendimento.

Campanha para o Outubro Rosa 2016 #EuVouDeRosa

Uma campanha para tocar no peito!

Outubro Rosa 2016

Todos juntos contra o Câncer de Mama

Outubro Rosa 2016 – Mês de Combate ao Câncer de Mama

Campanha #EuVouDeRosa

O diagnóstico do Câncer de Mama deve ser preciso e rápido para responder o tratamento com melhor eficácia.

Neste mês de Outubro de 2016, o Grupo Erviegas levanta a bandeira na cor rosa junto com o apoio da Biocare Medical, que juntas, oferecem uma vasta linha de produtos para exames e diagnósticos precisos. Juntas, destacam a importância da conscientização da realização de exames regularmente bem como a prevenção e diagnóstico precoce do Câncer de Mama.

Neste mês desafiamos você à participar deste movimento alterando a sua foto do perfil no Facebook ou no Twitter em apoio as mulheres que lutam contra Câncer de Mama durante o mês inteiro de Outubro com a hashtag #EuVouDeRosa.

Para participar basta clicar no botão abaixo

Compartilhe o Outubro Rosa 2016

Dissemine essa ideia

Mês de Combate ao Câncer de Mama

Outubro é o Mês de Combate ao Câncer de Mama

O CÂNCER DE MAMA

O que é

O câncer é definido pelo crescimento rápido e totalmente desordenado das células, que com o tempo adquirem uma estrutura a ponto de se multiplicar, seja de forma rápida ou lenta. O câncer ou neoplasia (como é chamado em termos médicos) possui a capacidade de espalhar-se para diversas partes do corpo denominada metástases.

O câncer de mama afeta as mamas, glândulas formadas pelos lobos, dividindo-se em estrutura menores chamadas lóbulos e ductos mamários.

O câncer de mama também pode afetar os homens em uma estimativa de 1:100, ou seja, a cada 100 mulheres com câncer de mama, um homem pode desenvolver uma neoplasia deste tipo.

Quando a mulher chega aos 40 anos a incidência de câncer cresce de maneira rápida e progressivamente. Vale ressaltar que nem todo tumor na mama detectado é maligno, pois a maioria dos nódulos (caroços) detectados na mama é benigna, mas para isso deve ser feito os exames médicos para a detecção e diagnóstico precoce.

Para o Brasil estima-se

Segundo pesquisas do Instituto Nacional do Câncer (INCA)

Novos casos de Câncer no Brasil

Novos câncer de Mama

FATORES DE RISCO DO CÂNCER DE MAMA

Como está seu estilo de vida?

Não há evidências exatas sobre o que pode causar o câncer de mama, entretanto, existem alguns fatores de risco que podem contribuir e estão associados a neoplasia como:

Câncer de Mama no histórico da família:

Mulheres que possuem parentes de primeiro grau (mãe ou irmã) que diagnosticaram a doença antes da idade dos 50 anos podem ser mais vulneráveis a ter câncer de mama.

Fatores de Risco Ambientais e Comportamentais:

  • Obesidade e sobrepeso após a menopausa;
  • Não praticar exercícios físicos;
  • Consumir bebidas alcoólicas podem contribuir para o desenvolvimento do câncer de mama.

Fatores relacionados a vida reprodutiva e hormonal:

  • A primeira menstruação (menarca) antes dos 12 anos;
  • Não ter tido filhos, primeira gravidez após aos 30 anos;
  • Não ter amamentado;
  • Parar de menstruar (menopausa) após os 55 anos;
  • Uso de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona;
  • Ter feito reposição hormonal pós-menopausa, principalmente por mais de cinco anos.

Fatores genéticos:

Alteração genética, especificamente nos genes BRCA1 e BRCA2.

*A mulher que possui um ou mais desses fatores genéticos/ hereditários é considerada com risco elevado para desenvolver câncer de mama

Fontes:

Fatores de Risco do Câncer de Mama. Consultado em 28 de Setembro de 2016. Disponível em: http://www.inca.gov.br/wcm/outubro-rosa/2015/fatores-de-risco.asp

SINTOMAS DO CÂNCER DE MAMA

Fique de olho nos sintomas

Os sintomas mais comuns do câncer de mama é o aparecimento de caroços. Os nódulos possuem formatos diferentes podendo ser de alta gravidade e malignos quando forem indolores, duros ou até mesmo irregulares. Existe também os tumores que são macios e arredondados. Tudo irá depender da avaliação médica acompanhada de exames.

Fique atenta, alguns sinais de câncer de mama podem aparecer:

    • Inchaço em parte do seio;
    • Irritação da pele ou aparecimento de irregularidades, como covinhas ou franzidos, ou que fazem a pele se assemelhar à uma casca de laranja;
    • Dor no mamilo ou inversão ao mamilo (para dentro);
    • Vermelhidão ou descamação do mamilo ou pele da mama;
    • Saída de secreção (que não seja leite) pelo mamilo;
    • Caroço nas axilas;

TIPOS DE CÂNCER DE MAMA

Saiba mais sobre os tipos de câncer

O câncer de mama pode ter a sua manifestação de diversas maneiras como ditas acima, entretanto, é de extrema importância conhecer os principais tipos de câncer para compreender melhor o quadro clínico.

Por vezes, receber a notícia de diagnóstico positivo de câncer de mama vem a ser uma notícia impactante. Entretanto, fique conheça abaixo os principais tipos de câncer que existem:

Ele se origina nas células dos lobos mamários e não tem a capacidade de invasão dos tecidos adjacentes. Frequentemente é multifocal. O carcinoma lobular in situ representa de 2 a 6% dos casos de câncer de mama.

É o tipo mais comum de câncer de mama não invasivo. Ele afeta os ductos da mama, que são os canais que conduzem leite. Este tipo de câncer de mama não tem capacidade de desenvolver as metástases.

É o câncer de mama mais comum no mundo inteiro e há a possibilidade de desenvolver metástases.

É o segundo tipo mais comum de câncer de mama e está relacionado ao risco de desenvolvimento de câncer na outra mama e também ao câncer de ovário. Apresenta a possibilidade de desenvolver metástase.

Raramente apresenta receptores hormonais, podendo ser chamado de triplo negativo. Ele é a forma mais agressiva de câncer de mama – e também a mais rara. O carcinoma inflamatório se apresenta como uma inflamação na mama e frequentemente tem uma grande extensão. Ele também começa nas glândulas que produzem leite. As chances dele se espalhar por outras partes do corpo e produzir metástases são grandes.

Diagnóstico Precoce do Câncer de Mama

Ainda precisamos avançar

Quando um nódulo é detectado, o médico poderá também solicitar exames mais específicos para a confirmação da neoplasia:

Mamografia: Para confirmação do nódulo nas mamas

Biópsia: Para confirmar se o tumor é maligno ou benigno. Geralmente utiliza-se a técnica da Avaliação de Imuno-histoquímica, mais conhecida como IHQ para avaliar a presença de receptores hormonais. Existem três tipos de receptores hormonais para o câncer de mama: o de estrógeno, o de progesterona e o de HER-2.

Ultrassonografia da Mama: É solicitado quando não é possível detectar o cisto do nódulo no exame de mamografia.

Ressonância Magnética (RM): Em casos de alto risco, este exame possibilita a melhor visualização do tumor e utiliza ondas de rádio e fortes imãs.

O câncer de mama é dividido em quatro estadios ou estágios, conforme a extensão da doença, que vão do 0 ao 4:

  • Estadio 0: as células cancerosas ainda estão contidas nos ductos, por isso o problema é quase sempre curável
  • Estadio 1: tumor com menos de 2 cm, sem acometimento das glândulas linfáticas da axila
  • Estadio 3: nódulo com mais de 5 cm que pode alcançar estruturas vizinhas, como músculo e pele, assim como as glândulas linfáticas. Mas ainda não há indício de que o câncer se espalhou pelo corpo
  • Estadio 4: tumores de qualquer tamanho com metástases e, geralmente, há comprometimento das glândulas linfáticas. No Brasil cerca de 60 a 70% dos casos são diagnosticado em estadio 3 ou 4.

TRATAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

A medicina avançando a cada dia

A medicina tem avançado de forma exponencial nos últimos anos e trás resultados positivos para o tratamento do câncer de mama. Existem os tratamentos específicos e os tratamentos combinados bem como as cirurgias. Os tratamentos podem ser:

Terapia Local:

Cirurgia: Quando detectado, o tumor é retirado através da mama, para não comprometer o estágio da paciente.

Radioterapia: terapia que usa radiação ionizante no local do tumor. É muito utilizada para tumores que ainda não se espalharam e não metástases, para os quais não é necessária a retirada de grande parte da mama. A radioterapia também pode ser usada nos casos em que o câncer de mama não pode ser retirado completamente com a cirurgia, ou quando se quer diminuir o risco de o tumor voltar a crescer. Dura aproximadamente um mês.

Terapia Sistêmica:

  • Quimioterapia: tratamento que utiliza medicamentos orais ou intravenosos, com o objetivo de destruir, controlar ou inibir o crescimento das células doentes. A quimio pode ser feita antes ou após a cirurgia, e o período de tratamento varia conforme o câncer de mama e a paciente.
  • Hormonioterapia: tem como objetivo impedir a ação dos hormônios que fazem as células cancerígenas crescerem. A hormonioterapia, portanto, só poderá ser utilizada em pacientes que apresentam pelo menos um receptor hormonal. Essa terapia no geral é feita via oral, e as drogas agem bloqueando ou suprimindo os efeitos do hormônio sobre o órgão afetado.
  • Terapia alvo (anticorpos monoclonais): também conhecido como terapia anti HER-2, essa modalidade é constituída de drogas que bloqueiam alvos específicos de determinadas proteínas ou mecanismo de divisão celular presente apenas nas células tumorais ou presentes preferencialmente nas células tumorais. São medicamentos ministrados geralmente via oral. Quando o tumor expressa a proteína HER-2 em grande quantidade, por exemplo, são utilizadas drogas que irão destruir essas células especificamente. Existem outras proteínas ou processos celular que podem se acentuar no tumor e intensificar seu crescimento, e as drogas da terapia alvo irão agir nesses pontos específicos.

Fonte: Câncer de Mama. Acesso em 28 de Setembro. Disponível em: http://www.minhavida.com.br/saude/temas/cancer-de-mama

Prevenção do Câncer de Mama

Viva com mais saúde

Existem alguns cuidados e hábitos que a mulher pode adotar ainda hoje para prevenir o câncer de mama seja na sua fase fértil como na menopausa. Veja abaixo:

  • Seguir uma alimentação rica sem gorduras pesadas;
  • Evitar carnes gordurosas e processadas e preferir ingerir folhas verdes;
  • Realizar exercícios físicos como nadar, correr, dança, academia;
  • Em sua fase gestante, amamentar por um longo período;
  • Quando a menopausa chega, é fundamental o acompanhamento do médico;

Se na família houver casos de câncer de mama ou ovário na família, é possível realizar exames específicos para detectar a mutação de genes que predispõe o desenvolvimento da doença.

Sempre fique em dia com seus exames e fique de olho nos sintomas. A prevenção e o diagnóstico precoce é o melhor caminho.