Agosto Verde Claro

Mês de combate aos Linfomas

Mês de Combate aos Linfomas

O Mês de Agosto lembra a importância da atenção para a prevenção, tratamento e diagnóstico precoce dos linfomas.

O QUE É O LINFOMA?

A Doença que afeta o sistema imunológico

Essas duas doenças apresentam algumas características clínicas semelhantes, mas divergem na célula de origem, forma de apresentação, de tratamento e nos resultados do tratamento.

São designadas como doença de Hodgkin e linfoma não-Hodgkin. Estão entre as doenças malignas que melhor respondem ao tratamento com radioterapia e quimioterapia. O índice de cura da doença de Hodgkin gira em torno de 75% dos pacientes com o tratamento inicial e nos casos de recidiva, já os linfomas não-Hodgkin são curados em menos de 25% dos casos.

Apresentaremos dados separados de cada doença para melhor ilustrarmos as diferenças entre elas.

a) Doença de Hodgkin

Essa doença apresenta-se em duas fases de idade, sendo o primeiro pico de incidência na terceira década de vida e o outro após a quinta década de vida. A incidência nos países subdesenvolvidos é menor que nos países industrializados, mas nota-se uma maior incidência de casos em idade menor que 15 anos nos países subdesenvolvidos.

Existe um aumento de incidência proporcional ao grau de educação. A prevalência é maior nas pessoas de raça branca e do sexo masculino.

Vários fatores estão associados à etiologia da Doença de Hodgkin; a infecção pelo vírus Epstein-Barr (causador da mononucleose), é um desses fatores. Um número de estudos têm mostrado uma predisposição genética para a doença de Hodgkin, demonstrada pela maior tendência dos judeus a desenvolver a doença e pela maior incidência entre filhos e parentes próximos. Alguns fatores de exposição ambiental podem influenciar, não sendo ainda bem comprovados.

b) Linfoma não-Hodgkin

Como descrito anteriormente, existem semelhanças e diferenças entre a doença de Hodgkin e o linfoma não-Hodgkin.

O linfoma não-Hodgkin é reconhecidamente derivado de subpopulações de células brancas do sangue (células B e T), originadas na medula óssea. Avanços na imunologia e na biologia molecular têm auxiliado muito na detecção desses tumores, além de abrir caminhos para novas estratégias de tratamento. Os linfomas não-Hodgkin compreendem um grande grupo heterogêneo de canceres do sistema linfóide, com diferentes locais de origem, diferentes comportamentos clínicos, e principalmente pelo tipo de tratamento e resposta a esse.

É mais freqüente nos homens, principalmente naqueles de cor branca. Apesar de ser freqüente em todo o mundo, apresenta variações com maior prevalência de certos tipos histológicos em determinadas áreas geográficas. Como exemplo a forma folicular do linfoma (menos agressivo) é rara na América Latina.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cancerologia

PREVENÇÃO

Pequenas atitudes que fazem a diferença

A prevenção do câncer é muito importante, não apenas para diminuir os riscos de uma pessoa chegar a desenvolvê-lo, mas também para que o câncer possa ser diagnosticado em fase precoce, aumentando as chances de cura e sobrevida do paciente.

Além de exames periódicos e acompanhamento médico, é importante que as pessoas mantenham alguns hábitos de vida saudáveis, para diminuir ao máximo a chance de chegar a desenvolver um câncer.

Algumas dicas: não fumar, dormir bem, evitar consumo de alimento ricos em sódio e conservantes, evitar consumo excessivo de gorduras, açúcares, carnes vermelhas e processadas, ingerir álcool com moderação, manter hábitos sexuais seguros (uso de camisinha), investir em uma dieta balanceada, rica em frutas, legumes e verduras, fazer atividade física regularmente para manter o sistema imunológico sempre ativo.

DIAGNÓSTICO

Quanto mais cedo melhor

O diagnóstico é realizado pela presença de alteração nos gânglios linfáticos, que, de acordo com a localização, podem provocar sintomatologia distinta e principalmente pela avaliação histopatológica (avaliação em microscópio). Os gânglios linfáticos aumentam de tamanho, apresentando uma consistência tipo borrachosa.

Podem disseminar-se para o fígado e para a medula óssea.

Os exames utilizados para o diagnóstico da doença são: exames laboratoriais, biópsia do gânglio linfático acometido, radiografia do tórax, tomografia computadorizada do abdome e pelve, biópsia da medula óssea, laparoscopia para casos especiais em que permanece a dúvida de presença da doença dentro do abdome.