Dia Mundial do Combate ao Câncer #JuntosContraOCâncer

  • Postado por Grupo Erviegas
  • em 8 de abril de 2016
  • 0 Comentários
  • cancer, dia mundial do combate ao cancer, diagnostico ivd, fosfoetanolamina, grupo erviegas, pesquisa, prevenção, saúde

No dia 08 de Abril o Grupo Erviegas em parcerias com as marcas da Divisão Diagnósticos da empresa, realizou uma campanha, #JuntosContraOCâncer para o Dia Mundial do Combate ao Câncer para lembrar a importância da prevenção, tratamento e do diagnóstico da doença que mais mata pessoas no mundo inteiro.

Cerca de 12 milhões de pessoas são diagnosticadas com câncer todo o ano no mundo. Segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer) estimou que no ano passado foram diagnosticados 580 mil novos casos da doença.

Dia Mundial do Combate ao Câncer – O Câncer de Pele

Em 2016, serão contabilizados cerca de 175 mil novos casos de câncer da pele não melanoma no Brasil. Os principais tipos que ocorrerão no País serão, por ordem de incidência, os da pele não melanoma (para ambos os sexos), o de próstata e o de mama.

Entre os homens, são esperados 295.200 novos casos de câncer, e entre as mulheres, 300.870. Excluindo-se o câncer da pele não melanoma (175.760 casos previstos, que correspondem a 29% do total estimado), esses números caem, respectivamente para 214.350 e 205.9960.

Dia Mundial do Combate ao Câncer

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, no ano 2030, existirá 27 milhões de casos novos de câncer, 17 milhões de mortes pela doença e 75 milhões de pessoas vivendo com câncer. O maior efeito desse aumento incidirá em países em desenvolvimento. No Brasil, o câncer já é a segunda causa de morte por doenças, atrás apenas das do aparelho circulatório.

O uso do protetor solar é indispensável para prevenir o Câncer de Pele

A Esperança

A fosfoetanolamina é um composto orgânico, produzida pelo nosso organismo, que ajuda a formar as membranas celulares e possui função sinalizadora. Possui ação antiproliferativa, estimula a apoptose e acredita-se que tenha função antitumoral, o que poderia auxiliar no combate ao câncer.

Essa substância vem sendo estudada desde os anos 90 pelo professor Gilberto Orivaldo Chierice, no Instituto de Química de São Carlos – USP, que descreve a ação da substância como uma espécie de marcador, que acusa para o corpo as células cancerosas, o que facilita a ação do sistema imunológico.

Essa substância foi distribuída gratuitamente por mais de 20 anos para pacientes com câncer, os quais relataram melhoras significativas e até a cura da doença. Porém, a distribuição foi proibida por causa da falta de testes, pesquisas, registro e autorização da Anvisa.

Afinal, fica a dúvida…o que será daqui pra frente?

 3

0 Comments

Leave Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *